A Ansiedade nos Atletas





Todos os atletas envolvidos no desporto sabem o que é a ansiedade (Silvério & Srebro, 2002). No entanto, é difícil definir ansiedade de uma forma simples e completa (Silvério & Srebro, 2002). Podemos entender a ansiedade como um estado emocional desagradável, isto é, um estado emocional angustiante, em que coexistem alterações somáticas (cardíacas, respiratórias, etc.) e em que se prevêem situações desagradáveis, reais ou não (Ferreira, 2008). Desta forma, podemos considerar que a ansiedade, quando está presente numa competição, pode afetar negativamente o desempenho desportivo do atleta, se permanecer por demasiado tempo (Ferreira, 2008).        
 
A ansiedade competitiva pode ser mesmo definida como a tendência para percecionar a situação de competição como ameaçadora (Viana, 2000). A ansiedade é um fenómeno psicológico que tem a função de adaptar e regular o ser humano na sua vida quotidiana e, assim interfere também no dia-a-dia no contexto desportivo (Corrêa, et al., 2002; Hackfort & Schwenkmezger, 1993; Teixeira, 2008). Viscott (1982, cit. in Ferreira, 2008) conceptualiza a ansiedade como uma reação psicofisiológica de alerta mediante um determinado perigo ou ameaça, podendo esta ser normal ou patológica, leve ou grave, prejudicial ou benéfica, episódica ou persistente, com origem orgânica ou psicológica, que pode ocorrer de forma isolada ou com comorbilidade (com outras doenças), podendo afetar ou não a perceção e memória do sujeito.

Davidoff (1983, cit. in Ferreira, 2008) faz uma comparação da ansiedade com o medo, tendo por base que a ansiedade é uma emoção envolvida por sentimentos de previsão de perigo, tensão e aflição, e refere que é difícil distinguir os dois. Para este autor, o objeto do medo é fácil de descrever, enquanto que o objeto da ansiedade não é tão claro (Davidoff 1983, cit. in Ferreira, 2008). Como refere Plutchik (1962, cit. in Hackfort & Schwenkmezger, 1993), o medo provém de um estímulo específico, enquanto que a ansiedade surge a partir de um processo antecipatório e imaginativo. A intensidade do medo é proporcional à gravidade do perigo. Todavia, no que diz respeito à ansiedade, a sua intensidade muitas vezes é maior do que o medo objetivo (Davidoff 1983, cit. in Ferreira, 2008). Os atletas vivenciam variadas situações de ansiedade, como por exemplo erros que cometem dentro de campo, competições acirradas, pressão do público e adeptos, troca de clube, salários atrasados, lesões inesperadas, derrotas em partidas decisivas, entre outras (Román & Savoia, 2003). Assim sendo, os atletas, nestas situações, podem desenvolver respostas de ansiedade, ou seja, uma resposta física perante uma situação de ameaça real ou de uma situação interpretada como ameaçadora (Román & Savoia, 2003).
Segundo Frischnecht (1990, cit. in Quadros Jr., et al., 2006), todas as atividades musculares intensas estabelecem uma relação com as vivências emocionais e, desta forma, pode-se referir que a tensão das reações emocionais atinge o seu expoente em situações de competição. Por esta razão, a preparação psicológica dos atletas ganha uma importância cada vez maior no âmbito da competição desportiva (Quadros Jr., et al., 2006). As emoções tanto podem inspirar como inibir a prestação desportiva. Quando estas são positivas, o atleta pode facilmente atingir o sucesso. No entanto, quando toda a excitação se transforma em ansiedade, o atleta poderá cometer mais erros (Quadros Jr., et al., 2006).
Nas competições desportivas é frequente os atletas experimentarem situações de stress e ansiedade, o que se pode tornar num problema para todos os envolvidos numa dada modalidade (atletas, treinadores, pais, árbitros, etc.) (Cruz, 1996c). Geralmente, os atletas sofrem uma constante pressão psicológica devido à competição desportiva, o que por vezes, lhes provoca uma certa dificuldade em enfrentar ou lidar eficazmente com as exigências dessa mesma competição (Cruz, 1996c).
Os atletas com níveis altos de ansiedade tendem a ter mau desempenho ao defrontarem-se com alguma situação de stress, ao contrário daqueles que apresentam níveis baixos de ansiedade (Quadros Jr., et al., 2006). No entanto, Machado (1997, cit. in Ferreira et al., 2008) refere que, tanto níveis elevados como muito baixos de ansiedade estão associados a rendimentos medíocres.
Investigações sobre esta variável demonstram que a atividade desportiva pode ser prejudicada se os níveis de ansiedade forem muito elevados (Viana, 2000). A ansiedade competitiva é um problema reconhecido pela Psicologia do Desporto, pois vários atletas juvenis abandonam a sua modalidade quando se deparam com experiências de stress, frustração, tensão, medo, entre outras (Ferreira, 2008). Surgem também, ligadas à ansiedade, manifestações somáticas, como perturbações do sono, problemas gastro-intestinais, dermatológicos, alimentares e uma maior suscetibilidade às lesões (Viana, 2000).
Relativamente à origem da ansiedade, esta pode dever-se a inúmeros fatores como o medo de falhar (que é mais significativo para atletas jovens), conflito com treinadores e outros atletas, com incertezas quanto ao jogo e acerca da titularidade, preocupação com lesões e até os comportamentos da família, dos espectadores e da comunicação social (Cruz, 1996c; Quadros Jr., et al., 2006; Viana, 1990).

 A relação entre o treinador e o atleta é também deveras determinante no envolvimento desportivo, pois ambos vivem situações de stress nas competições (Quadros Jr., et al., 2006). O modo como cada um enfrenta o nível de stress reflete a forma pela qual cada um vai conseguir lidar com as emoções e características individuais do outro (treinador/atleta) (Quadros Jr., et al., 2006). A maior parte do tempo, os atletas pensam nos seus treinadores e relembram as frases referidas por estes (Quadros Jr., et al., 2006). Entre as qualidades dos treinadores mais apreciadas pelos atletas destaca-se a capacidade que os treinadores têm de se organizar, motivar e manter uma postura calma (Quadros Jr., et al., 2006). O sucesso, a crítica, e a oportunidade esperada pelos atletas são alguns dos fatores potencialmente ansiogénicos, dependendo da perceção e da interpretação que cada atleta faz dos acontecimentos (Quadros Jr., et al., 2006). A ansiedade é o resultado de uma maneira de percecionar o mundo em geral ou uma dada situação, e da forma como se pensa a respeito dos mesmos (Quadros Jr., et al., 2006). Sendo assim, não é o contexto que torna o atleta ansioso, mas a forma como este contexto é encarado por ele (Quadros Jr., et al., 2006).
A avaliação que os atletas fazem da sua performance representa também uma fonte significativa de ameaça, evidenciada num estudo de Pierce (1980, cit. in Cruz, 1996b), em que os atletas preocupavam-se essencialmente com o mau rendimento, com possíveis erros que pudessem cometer e com as reações dos colegas e treinadores. Segundo Scanlan (1978, 1984, cit. in Cruz, 1996b), o desporto de alta competição pode provocar stress, não só por ser uma importante área de realização para os atletas, mas também porque agrega uma avaliação social das suas competências e capacidades atléticas em público. Para Frischnecht (1990, cit. in Quadros Jr., et al., 2006), apenas no mundo do desporto podemos encontrar uma avaliação à performance individual realizada por inúmeras pessoas. A performance dos atletas é sempre julgada e avaliada por milhares de pessoas nos locais de competição, pelos que assistem na televisão ou por aqueles que ouvem pela rádio (Quadros Jr., et al., 2006). Hoje em dia, com inúmeros recursos disponíveis, as performances podem ser repetidas, descritas, analisadas e criticadas pelos órgãos de comunicação, estabelecendo uma maior pressão sobre estes atletas (Quadros Jr., et al., 2006).
Ao contrário do que se pensa, o stress e a ansiedade são também experimentados muitas vezes, provocando mesmo efeitos nefastos, por atletas que apresentam níveis máximos de rendimento sob a máxima pressão (Cruz, 1996c). Alguns dos melhores atletas do mundo também apresentam, em competição, dificuldades no controlo e gestão dos seus níveis de ansiedade (Cruz, 1996c).      
Vários estudos apontam uma elevada incidência de stress e ansiedade em contextos desportivos, no que diz respeito aos atletas, independentemente da sua idade e do seu nível competitivo (Cruz, 1996c). No desporto, ao longo do tempo, a ansiedade e o stress têm sido percecionados como fatores desadaptativos e perturbadores que, invariavelmente, prejudicam o rendimento desportivo dos atletas (Cruz, 1996c). Reforçando esta ideia está a presença de técnicas de redução de ansiedade, na maior parte das intervenções psicológicas em contextos desportivos (Cruz, 1996c).
No entanto, o stress e a ansiedade não afetam apenas o rendimento, mas podem provocar o abandono da competição desportiva, pelo facto de esta ser percecionada como aversiva, e existir uma maior vulnerabilidade às lesões desportivas e/ou à sua recuperação (Cruz, 1996c).
Ducceschi (1970, cit. in Ferreira, 2008) refere que a ansiedade é um estado intelectual e emocional, que para surgir não há a necessidade de uma ameaça ao bem-estar físico do sujeito, mas ao seu bem-estar mental. Este fenómeno é desencadeado por uma reação de apreensão e tensão, acompanhada por uma ativação do Sistema Nervoso Autónomo e um aumento da atividade endócrina (Brandão, 1995, citado por Corrêa, et al., 2002).
As reações fisiológicas que geram podem ser taquicardia, dor de estômago, medo, entre outras, que são denominadas de Ansiedade-Estado (Corrêa, et al., 2002). Weinberg e Gould (2007) referem ainda que este estado ansioso está interligado ao componente de humor em constante variação. A Ansiedade-Estado, em termos cognitivos, é representada quando um indivíduo exibe pensamentos negativos ou excesso de preocupação, em termos somáticos, quando há alterações na perceção subjetiva da ativação fisiológica (Weinberg & Gould, 2007). A Ansiedade- Estado está intimamente ligada à Ansiedade-Traço, ou seja, uma predisposição para percecionar as situações de uma forma geral como ameaçadoras (Brandão, 1995, cit. in Corrêa, et al., 2002).
A Ansiedade-Traço constitui uma característica estável de personalidade em que há uma tendência adquirida que influencia o sujeito em termos comportamentais. Ele responde a circunstâncias percecionadas como perigosas (físicas ou psicológicas) e ameaçadoras com reações e níveis de ansiedade exarcebados em relação ao perigo real (Becker Júnior, 2001; Corrêa, et al., 2002; Ferreira, 2008; Hackfort & Schwenkmezger, 1993; Singer, 1977; Viana, 2000). Os atletas que tenham como característica a Ansiedade-Traço tendem a percecionar variadas situações como mais ameaçadoras do que os atletas sem esta característica (Singer, 1977). Na sua teoria, Spielberger (1972) relaciona a ansiedade com o stress, defendendo que a Ansiedade-Estado é um estado emocional transitório, que varia em intensidade e duração mediante os estímulos de stress, internos ou externos e da duração da ameaça subjetiva causada por esse mesmo estímulo (Ferreira, 2008; Samulski, et al., 1996; Viana, 2000)
Dentro dos estudos da ansiedade, encontram-se alguns que distinguem ansiedade somática e ansiedade cognitiva (Ferreira, 2008). A ansiedade cognitiva refere-se a pensamentos e dúvidas a respeito do alcance da vitória. Já a ansiedade somática diz respeito a diarreias, pressão arterial elevada, batimentos cardíacos rápidos, tensão muscular e palidez facial (Becker Júnior, 2001). A ansiedade cognitiva provoca decréscimo da flexibilidade mental, expectativas negativas, sentimentos de confusão, esquecimento de detalhes, tendência a precipitar-se na atuação, decréscimo da capacidade de tomar decisões, perda de concentração e pensamentos de fracasso (Ferreira, 2008; Román & Savoia, 2003). A ansiedade somática é vista como a representação fisiológica e afetiva da ansiedade (Becker Júnior, 2001; Ferreira, 2008).
Um atleta, em geral, em situações de competição tem afetadas estas duas áreas. No entanto, Becker Júnior (2001) realça que, na sua experiência, se apercebeu da existência de atletas em que há maiores repercussões na área cognitiva (Ex.: pensamentos negativos sobre o possível resultado da competição) e outros na área somática (Ex.: tremores, suor, pulso aclarado).
Fleury (1998) defende que a ansiedade pré-competitiva é um estado emocional envolvido de preocupação e apreensão, que pode surgir através dos nossos pensamentos (ansiedade cognitiva) ou por reação fisiológicas (ansiedade somática).
Segundo Martens (1990), a ansiedade pré-competitiva surge, em geral, devido a dois fatores, a incerteza do resultado e a importância que o resultado representa para os atletas.
O “stress” competitivo tem quatro componentes:
1) a situação de competição, onde estão inseridas as exigências naturais, limitações e oportunidades e, os recursos técnico, físicos e psicológicos;
2) a avaliação que o atleta faz dessa situação, das consequências que imagina poderem
vir a acontecer e da importância que têm para ele;
3) a resposta fisiológica, que, por sua vez, também é objeto de processamento cognitivo pelo atleta;
4) o comportamento, influenciado pelas exigências da situação, pelos processos de avaliação cognitiva e pela natureza da ativação fisiológica (Viana, 2000).
 Todo este processo é influenciado por características de personalidade e motivacionais (Viana, 2000). Um atleta sente-se ansioso quando, numa competição, tendo esta um valor significativo para ele, antecipa um desequilíbrio entre as exigências da situação e os seus recursos pessoais para responder de forma eficaz (Viana, 2000). Existem algumas questões que se colocam, como porque é que determinados atletas perante um estádio cheio em vez de pensarem “que excelente oportunidade tenho para demonstrar a este público como jogo bem”, pensam “mas que grande embaraço; e se cometo algum erro à frente desta gente toda”? (Viana, 2000). Tão importante como as características pessoais do sujeito é a forma como este perceciona e avalia subjetivamente a discrepância entre as exigências da competição e as próprias competências (Viana, 2000). Por exemplo, um atleta com baixa autoconfiança tende a subestimar as suas competências e assim percecionar uma maior discrepância entre os seus recursos pessoais e as exigências da competição (Viana, 2000). Ou então aquele atleta que apresenta objetivos competitivos irrealistas e muito elevados devido a vários motivos, e como não reconhece as capacidades que são exigidas, age de forma ansiogénica (Viana, 2000).
Algo a considerar, também é a relação entre ansiedade e autoimagem e a autoestima. Não é raro os atletas sentirem-se ansiosos antes de uma competição desportiva, uma vez que a sua autoimagem e a autoestima dependem do seu desempenho e, dessa forma, estas situações podem se tornar muito assustadoras. Ao invés de lutarem por uma medalha, dinheiro, honras de campeão, luta-se contra o próprio valor; ao invés de percecionar uma oportunidade para jogar, o atleta passa a recear, nervosamente, a aproximação da competição pelo simples medo de falhar (Quadros Jr., et al., 2006).

Hanin (1980, 1986, 1997, citado por Corrêa, et al., 2002), através do seu modelo de zonas individualizadas de desempenho ideal (IZOF — Individualized Zones of Optimal Functioning), deu um contributo importante para a Psicologia do Desporto. Este psicólogo russo concluiu que os atletas de elite, quando desempenham os seus melhores rendimentos, encontram-se numa zona de Ansiedade-Estado Ideal (Becker Júnior, 2001; Corrêa, et al., 2002). Este nível ideal de Ansiedade-Estado varia com as características dos atletas, sendo subjetivo (Becker Júnior, 2001; Corrêa, et al., 2002). Para alguns atletas deve ser baixo, para estes sentirem-se calmos e atingirem bons desempenhos; para outros médio, quando estes necessitam sentir que têm a ansiedade controlada, e para outros elevado quando as suas melhores prestações são conseguidas quando estão agitados e sob pressão (Corrêa, et al., 2002). Quando um atleta se encontra no seu nível ótimo de ansiedade, pode-se referir que este está  autocontrolado (Corrêa, et al., 2002). De forma distinta, se o seu nível de ansiedade está fora de controlo, mais baixo ou mais elevado do que o seu nível ótimo, surgem reações cognitivas como medo, pensamentos negativos e desinteresse, manifestando-se ao nível somático por tensões musculares e lentidão (Brandão, 1995, citado por Corrêa, et al., 2002).
Hardy (1990, 1996, cit. in Corrêa, et al., 2002) salienta ainda que, para uma performance ideal, não é necessário apenas um nível de ativação ótimo, é relevante ainda controlar a ansiedade-estado cognitiva (preocupação), uma vez que atletas que necessitem de um nível de ansiedade-estado cognitiva alto, o aumento da sua ativação pode chegar a um limiar imediatamente subsequente à ativação ideal, em que os níveis de ativação são tão elevados que em seguida há um decréscimo no rendimento. As investigações revelam que, quer a ativação, quer a ansiedade elevada, provocam o aumento da tensão muscular, podem interferir na coordenação. Além disso, podem estreitar o campo de visão, tornando o foco diminuído, o que se pode tornar favorável para exercícios que exijam concentração num foco estreito e a eliminação de distratores ambientais (Nideffer, 1976; Weinberg & Gould, 2007). Ou em casos extremos, os seus efeitos geram enormes dificuldades que chegam a perturbar a concentração, pois elevados níveis de ansiedade tendem a restringir o "campo" de atenção, e o atleta poderá começar a prestar atenção apenas a um número de sinais limitados, diminuindo assim sua performance (Quadros Jr., et al., 2006; Sewell & Edmondson, 2006). Os atletas mais ansiosos podem chegar mesmo a esconder lesões dos seus técnicos com medo de não conseguirem manter a titularidade (Quadros Jr., et al., 2006).
Frischnecht (1990, cit. in Quadros Jr., et al., 2006) refere que uma das componentes principais para controlar a ansiedade consiste na modificação da maneira de pensar do atleta.
Para resolver estes problemas, a literatura aponta várias técnicas na área da psicologia do desporto, tais como a tomada de consciência, por parte do atleta, técnicas de relaxamento, de simulação, visualização, controlo dos pensamentos, estabelecimento de metas, exercícios de activação, a realização de entrevistas de preparação, a autoanálise e autoavaliação por parte dos atletas e acompanhamento na competição (Brito, 2007; Figueiredo, 2000; Quadros Jr., et al., 2006; Silvério & Srebro, 2002).
 
Neste sentido, a Escola de Afetos fornece aos atletas e clubes desportivos avaliação psicológica, apoio psicológico e intervenção psicológica em grupo.
 
Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga Clínica, Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde com uma dissertação em Psicologia do Desporto
 
 
 

 

Sem comentários:

Publicar um comentário