Inteligência Vestimentar na Esfera Organizacional




Cada organização tem uma imagem que pretende projetar, que provém da sua estratégia de marketing e que tem como objetivo um posicionamento competitivo no mercado. Cada empresa tem um código vestimentar, que é o espelho da sua cultura organizacional. Mais do que uma simples política, devemos ter em conta que o código pode simbolizar orgulho corporativo.

Se pretendemos integrar numa determinada organização, devemos trabalhar a nossa imagem para que  esta se encaixe na imagem corporativa. Faz parte das nossas responsabilidades e habilidades interpretar adequadamente o código vestimentar da empresa e incorporá-lo. É sem dúvida um sinal de inteligência vestimentar e uma competência que devemos trabalhar ao longo da nossa vida profissional.

A adaptação à organização não tem de ser um sinónimo de anulação. Existe sempre a possibilidade de colocarmos um cunho pessoal ao nosso outfit mas que não comprometam a credibilidade e profissionalismo da nossa imagem.

Urge desenvolver em cada colaborador, em cada líder a inteligência vestimentar profissional, para que a sua imagem se encaixe naquilo que deseja espelhar profissionalmente.

A capacidade de nos adaptarmos ao contexto e ao cargo é uma destreza que faz parte da inteligência vestimentar.

Quaisquer que sejam as matrizes da nossa vida profissional, nela encontramos diferentes contextos: escritório, reuniões internas e externas, ou seja, contato com as diversas hierarquias, diferentes tipos de clientes, fornecedores ou prestadores de serviços.

As suas escolhas matinais devem ter em conta os variados momentos profissionais do seu dia-a-dia. Cada um deles requer a imagem certa para criar elos de ligação com os diferentes interlocutores com que vai se relacionar ao longo do dia. Não vai querer criar uma imagem que afaste um potencial cliente pelo ar de superioridade e inacessibilidade ou por outro lado falta de profissionalismo e desleixo.

Seja inteligente e tente construir uma imagem inteligente, que espelhe todo o seu profissionalismo mas que sobretudo, também se adeque ao contexto e aos seus intervenientes.

Novo Serviço: Psicologia da Imagem e Inteligência Vestimentar


A nossa imagem pessoal e profissional  é marcada por inúmeras alterações ao longo da nossa vida como a nossa situação profissional, a morfologia do nosso corpo (gravidez), patologias, etc.

Albert Mehrabian (PEASE, 2005, p. 17), na década de 1950 constatou que em toda a comunicação interpessoal cerca de 7% da mensagem é verbal (apenas palavras), 38% é vocal incluindo tom de voz, inflexão e outros sons e 55% é não-verbal.

A comunicação não-verbal deve ser percebida como toda a comunicação que é efetuada através de múltiplos canais que estão para além das palavras, como gestos que fazemos, as nossas micro expressões, a nossa postura, a nossa imagem, o que vestimos e como vestimos, as cores que usamos, o nosso cheiro, entre outras coisas.

Sabendo que o vestuário  é uma forma de comunicação, por muito que se procure negar, o que vestimos tem uma carga de simbolismos que vão ser descodificados pelos nossos interlocutores, que os vão aceitar ou rejeitar. O vestuário é, por isso também uma forma de integração social e profissional. Vestir de forma profissional pode-nos conduzir à promoção que tanto desejávamos.

A inteligência vestimentar faz parte das competências não verbais, é a capacidade de saber qual a imagem que pretendemos projetar em diferentes contextos quer pessoais quer profissionais.

Meditação para Adultos




“…as crianças são cópias fiéis dos adultos com quem convivem.”
(Isabel Leal, 2015)


Para que a técnica de meditação entre na vida de um adulto com objetividade e sucesso, é necessário antes demais que haja uma prática regular, ou seja, alguns momentos todos os dias (Leal, 2015). O ideal é logo pela manhã entre 5 a 20 minutos (Leal, 2015).

É importante que os mais velhos pratiquem relaxamento e meditação todos os dias para que haja treino e expansão da consciência (Leal, 2015). Ensinar os mais pequenos a praticar meditação é antes de mais dar o exemplo (Leal, 2015). A meditação é uma técnica que deve ser treinada para começarmos a ver resultados (Leal, 2015). Esta ferramenta permite conhecermo-nos melhor e mais profundamente (Leal, 2015). A mente com o tempo torna-se mais disciplinada, o ser mais calmo e há um reflexo imediato no bem-estar e na saúde (Leal, 2015). 

Alguns estudos indicam que apenas utilizamos 10% das nossas capacidades, havendo 90% que ainda não está explicado (Leal, 2015).

As pessoas que não praticam meditação, podem achar uma perda de tempo e um incómodo para o corpo, pois não sabem o que fazer e como lidar com os incómodos físicos, por vezes é-lhes difícil pois a irrequietude da mente traz a impaciência e a irrequietude física (Leal, 2015).

A mente também é um continum de energia, processa pensamentos, conhecimento e informação e não pode ser paradas mas é fundamental ser disciplinada e educada (Leal, 2015).

Com rigor e método, aos poucos a meditação leva-nos ao encontro da tranquilidade e paz, em que existem momentos de silêncio que nos permitem observar o que se passa na mente (Leal, 2015).

Eis algumas das questões que deve fazer quando medita: “Que tipo de relação a mente mantem com tudo o que a rodeia? Quais os pensamentos diários? O que pensa de si mesmo? Como resolve as suas dúvidas? Que tipo de relacionamentos mantém? Que objetivos gostaria de alcançar? É feliz?” (citando Isabel Leal, 2015, pág. 18).

Para constatar mudanças deve ter um caderno de registos (Leal, 2015). Todas as experiências sejam elas vistas, ouvidas ou sentidas durante os momentos de meditação devem ser anotados (Leal, 2015).

Através da meditação é possível compreender o potencial, a força, a concentração, a vocação, a missão e tomar decisões mais conscientes sobre o futuro (Leal, 2015). Quanto mais praticamos a meditação mais podemos descobrir sobre nós, os que nos rodeiam e como agir com bom coração (Leal, 2015). A utilização do coração em pleno só ocorre quando a consciência para o fazer estiver desenvolvida (Leal, 2015).





Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga Clínica, Pós-Graduada em Psicologia Escolar 

Bibliografia: Meditação e Relaxamento para Crianças de Isabel Leal


Meditação e Relaxamento para Crianças



O relaxamento e a meditação são práticas simples, naturais, eficazes, promotoras de saúde, equilíbrio, pacificação e bem-estar (Leal, 2015). A meditação é uma excelente ferramenta para promover o autoconhecimento e desenvolver o equilíbrio (Leal, 2015). Estas práticas podem ser utilizadas em casa, na escola, em hospitais e clinicas ou infantários.

A Europa não tem raiz cultural e hereditária na utilização destas técnicas (Leal, 2015). Os ensinamentos sobre relaxamento e meditação assentam sobretudo na postura corporal, respiração, foco, concentração e música (Leal, 2015).

Quando falamos em meditação, a imagem que nos vem à mente é a posição de lótus, ou seja, a posição em que o individuo está sentado de pernas cruzadas, as mãos colocadas sobre o regaço em mudra e com os olhos fechados (Leal, 2015). Na verdade, esta pode ser realizada a andar, a cozinhar, sentado ou deitado (Leal, 2015). Também é possível meditar de olhos abertos, embora tal exija maior concentração e por esse motivo apenas praticantes avançados o fazem (Leal, 2015).

Um dos benefícios da prática de meditação a partir de tenra idade é oferecer momentos de clareza mental, ajudar a perceber qual o rumo a seguir, o que estudar, com quem casar, em que país viver, em que área social ajudar, que hobbies ter e quais os momentos de criatividade que permitem bem-estar e plenitude (Leal, 2015). Este tipo de técnicas realizadas de forma regular colocam qualquer ser humano em íntima união com os seus sentimentos e com o seu propósito de vida (Leal, 2015).

Hoje em dia, há estudos científicos que comprovam que o relaxamento e a meditação melhoram as componentes de atenção, a capacidade de definir prioridades, a organização de tarefas e a persecução de objetivos estabelecidos (Leal, 2015).

Os médicos recomendam cada vez mais a prática do relaxamento e da meditação, pois é uma forma genuína de reduzir o stresse, manter o foco, desenvolver capacidades mentais e até na prevenção de doenças (Leal, 2015).



Quais são os benefícios que pode esperar do relaxamento e da meditação? (Leal, 2015)

· Autodisciplina

· Autoestima

· Autoafirmação

· Paz interior

· Poder pessoal

· Criatividade

· Gestão de stresse

· Gestão emocional

· Foco

· Melhoria das condições de sono

· Amplitude da consciência

· Equilíbrio na hiperatividade e no défice de atenção

· Gestão de expectativas

· Relações familiares saudáveis





Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga Clínica, Pós-Graduada em Psicologia Escolar

Bibliografia: Meditação para Crianças de Isabel Leal




Dia da Mulher



Hoje comemora-se o Dia Internacional da Mulher.
 
Neste dia é essencial referir algumas atividades gratificantes para aumentar o seu bem-estar, tais como (Pérsico, 2011):
 
Identificar pensamentos negativos que ocupam a nossa mente (Pérsico, 2011). Se o problema em questão não tem solução, como partir uma perna, devemos nos preocupar como resolver determinadas questões, como ir às compras, mas nunca ficarmos a pensar no que não poderemos fazer nessa situação, isso é preocupar-nos por gosto (Pérsico, 2011). Em vez disso, devemos pensar naquilo que podemos fazer com aquela limitação (ler, coser, ver televisão, falar ao telefone, fazer um quebra-cabeças, jogar solitário, convidar gente para vir até nossa casa, etc. ) (Pérsico, 2011).
 
 Relacionar-se com outras pessoas, pois o afeto é uma emoção positiva (Pérsico, 2011). Ter amigos, dar-se com pessoas de todas as idades, trocar pontos de vista e criar laços afetivos favorece o bem-estar psicológico (Pérsico, 2011). O apoio mútuo reforça a própria segurança (Pérsico, 2011). O isolamento e a solidão são afetos negativos que prejudicam na recuperação de doenças (Pérsico, 2011).

 Praticar atividades desportivas, como caminhadas, dança, aeróbica, natação e outras, pois há atividades que se pode praticar toda a vida como a hidroginástica, que é um desporto com efeito massajador e que melhora o sistema cardio-respiratório, a perceção corporal e a coordenação motora e principalmente a condição física (Pérsico, 2011). 
 
 Ter passatempos, existem centenas de passatempos agradáveis: colecionar selos, tocar um instrumento musical, jogar às cartas, fazer objetos em cerâmica, pintar, viajar, ter uma horta, cozinhar, são apenas alguns exemplos (Pérsico, 2011). Graças a estas atividades pode ter muitos momentos de alegria, de gratificação (Pérsico, 2011).


A Escola de Afetos deseja-lhe um Feliz Dia da Mulher!