Síndrome de Asperger



A Síndrome de Asperger é uma perturbação neurocomportamental, de base genética, estando hoje em dia dentro do espectro do Autismo (Lobo Antunes, 2012). Apesar de ser uma disfunção com origem num funcionamento cerebral particular, ainda não existe marcador biológico, dessa forma o seu diagnóstico baseia-se em critérios comportamentais, sendo os mais utilizados os indicados no DSM-IV (Lobo Antunes, 2012).


Se quisermos resumir a Síndrome de Asperger diríamos que tem os seguintes sintomas (Lobo Antunes, 2012):


- dificuldade na interação social;


- dificuldade na comunicação verbal e não-verbal;


- dificuldade em criar empatia, isto é, “pôr-se na pele dos outros”;


- gestos, sons ou atividades repetitivas;


- hipersensibilidade aos estímulos sensoriais (sons, cheiros, luz ou texturas).



Relativamente à incidência entre os dois sexos, esta psicopatologia surge maioritariamente nos rapazes (Lobo Antunes, 2012).


Quanto ao seu surgimento, a maioria dos pais não reconhece nenhum problema durante os primeiros meses de vida, no entanto, existem casos em que a mãe suspeita nas primeiras horas de vida do bebé pela pobreza do contacto ocular (Lobo Antunes, 2012).


Quando são bebés, é frequente as mães comentarem que os bebés deram “más noites”, choros inconsoláveis, sonos breves e interrompidos pelo estímulo mais ligeiro (Lobo Antunes, 2012). Outras, narram bebés demasiado “bons“, “muito calminhos”, ao ponto de ficarem esquecidos no parque (Lobo Antunes, 2012).


Nestas crianças podem surgir dificuldades alimentares, podem recusar comer alimentos de uma determinada cor, comerem por partes, ou seja, primeiro o bife, depois o arroz e por fim as batatas e recusarem comer arroz de cenoura ou de ervilhas (Lobo Antunes, 2012).


A maioria das mães suspeitam que algo está errado entre os dois e os três anos de vida (Lobo Antunes, 2012). O problema mais comum é o atraso de linguagem, geralmente está presente em cerca de metade das crianças com Síndrome de Asperger num ponto do seu desenvolvimento (Lobo Antunes, 2012). Algumas destas crianças não têm linguagem espontânea, por exemplo são incapazes de dizer “mãe…água”, no entanto, podem saber nomear os logótipos dos diversos canais por cabo (Lobo Antunes, 2012). Certas crianças tendem a repetir o final das frases que ouvem, a este fenómeno chamamos ecolália, repetição como se de um eco se tratasse (Lobo Antunes, 2012).


Uma característica comum nestas crianças consiste na utilização de palavras sofisticadas, algo rebuscadas, em situações banais (Lobo Antunes, 2012). Os pais muitas vezes perguntam-se onde terão as crianças ouvido tais expressões (Lobo Antunes, 2012). A fonte dessas palavras está na televisão e em histórias infantis (Lobo Antunes, 2012).


As crianças com esta síndrome tendem a falar muito alto, mas de modo monótono, sem as inflexões de voz que traduzem as nossas emoções (Lobo Antunes, 2012).


As pessoas com Asperger não são bons ouvintes, têm uma tendência para o egocentrismo, pelo que poucas vezes prestarão muita atenção aos que os outros dizem, a não ser que o tema seja do seu interesse (Lobo Antunes, 2012). Assim, tendem a ser virados para si, tanto nas conversas como nos jogos (Lobo Antunes, 2012). As conversas com um Asperger são verdeiros monólogos, logo é difícil para eles fomentarem amizades (Lobo Antunes, 2012). Quanto a manifestações físicas de afeto são o oito ou o oitenta (Lobo Antunes, 2012). As zangas e as birras são frequentes, difíceis de controlar, estridentes na sua manifestação e muito embaraçosas para os pais (Lobo Antunes, 2012).


É importante salientar que nesta psicopatologia há gravidades distintas e variáveis, por exemplo, alguém com 60% desta perturbação aos 4 anos poderá ter 30% aos 15 (Lobo Antunes, 2012). É exatamente isso que esperamos que aconteça quando a criança inicia intervenção terapêutica (Lobo Antunes, 2012).


Neste sentido, a Escola de Afetos fornece consultas de avaliação psicológica e psicoterapia.



Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga Clínica, Pós-Graduada em Psicologia Escolar

 

 

Psicologia Infantil para Infantários


A Escola de Afetos fornece aos infantários o serviço de Psicologia Infantil, em que os técnicos se deslocam até às instituições para prestar o serviço de consulta de Psicologia Infantil. 
 
 
Como é que a Psicologia Infantil pode ajudar a criança?
 
O psicólogo infantil trabalha com as crianças no sentido de oferecer um ambiente onde ela se sinta segura e aceite, onde pode expor os seus medos e falar dos seus sentimentos.
 
A psicologia infantil ajuda a criança a se restabelecer depois de um acontecimento traumático de forma mais saudável e também poderá orientar os pais para a continuação do processo de melhoria em casa.
 
Quais os comportamentos dos alunos que são indicadores da necessidade de consulta de Psicologia Infantil?
 
  • Recusar-se a ir ao infantário
  • Atraso de desenvolvimento
  • Baixas competências sociais e pouco contacto ocular
  • Chorar em demasia
  • Excesso de necessidade de contato com a mãe ou pai
  • Recusa em estar próximo de uma pessoa específica
  • Comportamentos agressivos repentinos
  • Demora em falar ou andar
  • Xixi na cama
  • Pesadelos
  • Pedidos frequentes para dormir com os pais

 

501 Maneiras de Ser Bom Pai


Do livro “501 ways to be a good parent: from the frantic fours to the terrible twelves”, podemos retirar as “10 melhores coisas que pode dizer ao seu filho”, como por exemplo:
  1. Tu foste sempre uma alegria na minha vida!
  2. É bom contar o que nos acontece!
  3. Estou muito orgulhoso de ti, estiveste tão bem!
  4. Eu disse não.
  5. Não há problema em chorar ou sentirmo-nos tristes ou assustados!
  6. É normal errarmos e enganarmo-nos!
  7. És muito esperto em teres-te lembrado disso/em teres feito isso!
  8. Podes estar sem fazer nada!
  9. Eu gosto de ti como tu és!
  10. Eu amo-te!
 
Tente praticar estas palavras em casa com o seu filho!

Coaching




A partir de agora a Escola de Afetos oferece aos seus clientes sessões de coaching para crianças e adultos.

Estas sessões têm como objetivo desenvolver, desafiar, apoiar e capacitar as pessoas a a atingir todo o seu potencial pessoal e profissional através de perguntas.

Através do processo de coaching os clientes aprofundam o seu autoconhecimento, encaram as mudanças desejadas, orientam-se para a ação, produzindo uma maior abertura a mais aprendizagem, melhoria do desempenho e da sua qualidade de vida.

Em cada sessão o cliente escolhe o objetivo a que se propõe, enquanto o Coach escuta e faz perguntas. Esta interação gera reflexão, cria clareza e leva o cliente à ação desejada. O Coaching acelera o avanço desejado do Cliente, provocando uma maior consciencialização e responsabilização. O Coach concentra-se no “onde” está o cliente agora e “o que é” que está disposto a fazer para chegar onde quer estar no futuro.


A quem se destina?


-  Pessoas interessadas e dispostas a expandir o seu potencial de forma a alcançar os seus sonhos e objetivos


-  Pessoas com a autoestima e autoconfiança desfavorável à sua evolução


- Alunos que necessitem de apoio ao estudo, no sentido de aumentar a sua responsabilidade e autonomia


-  Pessoas em geral comprometidas com o sucesso


-  Pessoas que procuram o seu desenvolvimento pessoal e melhor adaptação à mudança


- Organizações que desejam a otimização e melhoria contínua do seu desempenho



Quais os objetivos?


- Mudar paradigmas e transformar crenças limitadoras em crenças possibilitadoras


- Aumentar a autoestima e a autoconfiança quer de crianças quer de adultos


- Melhorar o desempenho pessoal e profissional


- Aumentar o rendimento e o sucesso escolar das crianças, aumentando também a sua motivação e interesse



Em que situações se aplica?


É aplicável a todas as situações em que o cliente (empresa ou particular) deseja atingir objetivos, metas ou sonhos. O foco das sessões de coaching é sempre o futuro, aquilo que se pretende atingir, como poderemos lá chegar e quando desejamos alcançar. O Coaching é uma ferramenta essencial para todos os líderes, indivíduos, equipas, organizações que ambicionem atingir alto rendimento a nível profissional ou pessoal.



Como funciona um processo de coaching?


Cada processo individual funciona em packs de 10 sessões, com intervalo de uma semana, ou seja, cada processo tem a duração de aproximadamente 2 meses e meio.

Cada sessão tem a duração sensivelmente de uma hora.