Palestras sobre Violência no Namoro


 
Foi com muito gosto que a Escola de Afetos participou em duas palestras sobre violência no namoro direcionadas aos alunos do Agrupamento de Escolas de Loureiro, Oliveira de Azeméis.
 
Quando o tema é violência no namoro o objetivo é estabelecer os limites entre o que é amor e o que é violência. Embora possa parecer simples, nem sempre os jovens têm a noção desses limites e muitos vivem relações violentas convencidos de que é tudo normal, de que é amor.
 
Sabia que em 2015 a Polícia de Segurança Pública recebeu mais queixas por violência no namoro do que por violência doméstica?
 
Dados da PSP demostram que o número de participações de casos de violência no namoro aumentou para o dobro de 2013 para 2014, registando mais de quatro participações por dia em 2014.
 
Estudos recentes comprovam que a violência no namoro é algo sério e que está a aumentar em Portugal.
 
A violência psicológica é, por vezes, a que passa mais despercebida, no entanto acontece de diversas formas que podem até ser muito simples como pegar no telemóvel do companheiro/a sem autorização ou proibir o uso de determinadas peças de roupa, situações consideradas normais pelos jovens numa relação.
 
Num estudo da Fundação Calouste Gulbenkian com 456 jovens de 32 escolas do distrito do Porto, entre os 11 e os 18 anos, os resultados não foram animadores. Para além de avaliar se os jovens já experimentaram situações de violência no namoro, investigou também a sua perspetiva sobre o assunto: o que achavam de determinadas atitudes dentro de uma relação, o que era encarado violência e o que era encarado normal.
 
A violência psicológica não é apenas a única a ser considerada normal. Neste estudo 63 dos 456 jovens inquiridos acham natural a violência física desde que não deixe marcas. O número de rapazes a achar que a violência física é natural e legitimada é quase o dobro do número de raparigas.
 
Entre as respostas, evidencia-se ainda o facto de 31% dos rapazes contra 10% das raparigas encarar legítimo pressionar para ter relações sexuais, tendo 2% dos jovens já ter sido vítima deste comportamento.
 
Num estudo recente realizado pela União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) concluiu-se que quase um quarto (22%) dos jovens considera "normal" algumas das formas de violência. Neste estudo com 2.500 jovens, quase um terço dos rapazes (32,5%) acha legítimo exercer violência sexual e que 14,5% das raparigas não acha violência forçar um beijo ou sexo.
 
Este estudo inquiriu jovens do Porto, Braga e Coimbra e verificou que os rapazes legitimam mais os comportamentos violentos do que as raparigas e que 16% de ambos os sexos considera normal forçar o/a companheiro/a a ter relações sexuais.
  
Os adolescentes entre os 12 e os 18 anos do estudo revelaram que 7% já tinham sofrido algum tipo de violência nas suas relações de namoro e que a maior parte da violência é psicológica.
 
 A violência física no namoro foi relatada por 5% do total dos adolescentes inquiridos e a violência sexual foi assumida por 4,5%.
  
Os dados deste estudo tornam-se preocupantes uma vez que o grupo de jovens tem uma idade média de 14 anos, o que se torna relevante estratégias de prevenção primária como palestras informativas e programas de prevenção para trabalhar estes temas com os jovens.
 
 
 
Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga Clínica, Pós-Graduada em Psicologia Escolar

 

Sem comentários:

Enviar um comentário