Mediação Familiar






O Serviço de Mediação Familiar pretende ser um meio alternativo de resolução de conflitos/ litígios, em que as partes, com a orientação do mediador (devidamente habilitado com curso reconhecido pelo Ministério da Justiça), chegarão por si só a um entendimento e solução benéfica para ambos através de um acordo.

O que é a Mediação?
A Mediação Familiar é um meio de resolução alternativa de litígios provenientes de relações familiares. É um processo extrajudicial, confidencial e voluntário.


Quais as matérias que poderão ser abrangidas?

Processos de separação/ divórcio;

Reconciliação de cônjuges separados;

Regulação, alteração e incumprimento das Responsabilidades Parentais;

Atribuição e alteração de alimentos, provisórios ou definitivos;

Promoção da comunicação entre os diversos membros da família;

Resolver conflitos familiares (Pais, Filhos, Irmãos, Avós, etc.);

Atribuição de Casa de Morada de Família;

Outras situações da esfera privada da Família.


Quais as vantagens da Mediação Familiar?

Custo reduzido;

Confidencialidade, reserva da vida privada;

Rapidez e eficácia na obtenção de acordo satisfatório para ambas as partes;

Informalidade, contacto próximo e simplificado entre o mediador e os mediados;

Flexibilidade de horário.


Quais as etapas do processo de Mediação Familiar?


1. A Mediação só é possível se ambas as partes aceitarem submeter-se ao processo de comum acordo e de forma voluntária;


2. Explicitação de Direitos e Deveres esclarecimento sobre como se desenrola o processo de mediação, princípios e regras;


3. Identificação dos problemas existentes;


4. Identificação de alternativas;


5. Negociação com vista ao acordo;


6. Elaboração do acordo e aceitação do mesmo;


7. Homologação do acordo de forma a conferir-lhe um estatuto legal.



A Escola de Afetos fornece este serviço aos seus clientes todas as terças-feiras e quintas-feiras de tarde mediante marcação prévia, o seu honorário é 40€ por cada sessão, havendo um desconto de 15% para utentes desempregados inscritos no IEFP, beneficiários do RSI e pensionistas.

Sem comentários:

Enviar um comentário