Formação em Riscos Psicossociais


 
Investir na prevenção dos riscos psicossociais tem retorno.

 
No passado mês de Julho, a Escola de Afetos participou na formação em Avaliação e Prevenção em Riscos Psicossociais da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) em Coimbra.

Estudos recentes comprovam que as empresas que investem em prevenção dos riscos psicossociais têm maior possibilidade de inverter a tendência de perdas anuais, de melhorar os seus resultados e notoriedade no mercado e junto dos seus clientes e parceiros (OPP, 2015).
 
A produtividade aumenta sempre que um trabalhador tem bem-estar físico e psicológico, se sente valorizado, respeitado e reconhecido pelos seus superiores (Samuel Antunes, 2015).

A preponderância desta temática já está legislada, em que a lei obriga o empregador a avaliar os riscos psicossociais (lei nº102/2009, de 10/9, artigo 15).

É de sublinhar que em Portugal, as empresas perdem anualmente cerca de 300 milhões de euros por causa de problemas relacionados com o stress e as doenças psicológicas dos seus colaboradores (Samuel Antunes, 2015).

Na Europa as depressões devido ao trabalho estão a aumentar e têm elevados custos para as organizações (OPP, 2015).

Esta problemática provoca (OPP,2015):

·         Redução do bem-estar

·         Redução da motivação e da produtividade

·         Burnout

·         Aumento dos acidentes de trabalho

·         Aumento do suicídio

·         Acréscimo do absentismo

·         Aumento do presenteísmo

·         Agravamento de doenças físicas e psicológicas

·         Entre outros.


Mas quais são os fatores de risco psicossociais? (Carlos Fernandes, 2015)

Temos alguns exemplos como:

·         Pressão do tempo;

·         Lidar com clientes difíceis;

·         Má comunicação entre superiores e trabalhadores;

·         Insegurança no trabalho;

·         Falta de cooperação entre colegas.


E quais são os fatores protetores dos riscos psicossociais? (Carlos Fernandes, 2015)

·         Família
 
·         Amigos
 
·         Colegas

 
A evidência demonstra que não prevenir esses riscos pode ser muito mais dispendioso para os empregadores, trabalhadores e sociedade em geral (Cooper et al, 1996; EU-OSHA, 2004; Bord et al, 2006).

Desta forma, a Escola de Afetos fornece às empresas avaliação e prevenção em riscos psicossociais.


Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga Clínica, Pós-Graduada em Gestão de Pessoas, com Formação em Riscos Psicossociais pela Ordem dos Psicólogos Portugueses

Sem comentários:

Enviar um comentário