Clima Organizacional




As organizações são sistemas abertos que estão expostas ao impacto das constantes mudanças, originárias do ambiente externo que, evidentemente, influenciam os mercados, os processos e as pessoas. A sobrevivência das empresas depende cada vez mais da sua capacidade de promover, constantemente, ajustes no seu ambiente intra-organizacional, dando relevo a fatores internos (competências, pessoas, valores, conhecimento), pois estes proporcionariam maior competitividade frente aos fatores externos.

Segundo Ulrich, a criação de valor não passa apenas exclusivamente por uma equação económica que leva a um resultado financeiro, isto seria uma “imagem ultrapassada e disfuncional” na forma de gerir as organizações, sendo que as questões relacionadas com as pessoas deveriam ser um novo foco para as organizações que buscam criar valor e obter resultados, tendo sempre em conta que as pessoas são essenciais no processo de agregação de valores intangíveis, concorrendo, de forma diferenciada, na consecução de vantagens competitivas e obtenção dos objetivos organizacionais propostos. Este é um dos grandes desafios apresentados às empresas, manter um ambiente potencializador do ativo humano, impulsionando, a performance e contribuições individuais.

Numa empresa, a gestão do clima organizacional assume-se como uma importante ferramenta para a monitorização do comportamento humano nas organizações, uma vez que, permite avaliar a comunicação interna, trabalho em equipa, liderança, tomada de decisões, comprometimento, além, das condições físicas do local de trabalho, variáveis que influenciam as atitudes, a conduta, a satisfação, a produtividade e a motivação das pessoas.

O Clima Organizacional, segundo Schneider, pode ser entendido como “um fenómeno organizacional dinâmico e complexo, construído a partir da interação de diversas variáveis organizacionais e pessoais. Existe de forma objetiva, porém, é avaliado subjetivamente, através das perceções dos indivíduos sobre seu ambiente de trabalho, dificultando a sua definição”.

Coda refere que o Clima Organizacional reporta-se ao que as pessoas acham que existe e que está a acontecer no ambiente da organização em determinado momento, sendo, portanto, a caracterização da imagem que essas pessoas têm dos principais aspetos da empresa. Talvez seja esse o maior desafio do conceito de Clima Organizacional, só pode ser entendido tendo em conta as perceções das pessoas que fazem parte da empresa. Em resumo, o Clima Organizacional é uma medida da perceção que os colaboradores têm sobre o grau de satisfação em relação a determinadas características do ambiente de trabalho da organização.


Segundo Altmann, as organizações que implementam programas de monitorização do clima organizacional, estão a adotar uma importante ferramenta de gestão que adequadamente administrada pode oferecer os seguintes benefícios:

·  maior envolvimento dos colaboradores com a empresa, este envolvimento reflete-se em maior satisfação, redução de ausências e melhoria de desempenho;

· a avaliação do clima organizacional, realizada em datas pré-definidas, permite a manifestação dos colaboradores sobre o ambiente de trabalho, favorecendo a comunicação intra-organizacional;

· oportunidade de comparação entre as características do ambiente de trabalho da empresa com o de outras empresas;

· pró-atividade da gerência, antecipando e solucionando problemas relativos aos colaboradores ou do ambiente de trabalho, prevenindo o aparecimento de situações críticas que normalmente influenciam negativamente o desempenho dos colaboradores ou das suas equipas de trabalho.

 
Gordon & Cummins referem que a gestão do clima organizacional não é um fim em si mesmo, mas uma ferramenta que ajuda os gestores a focarem a atenção em aspetos relevantes da organização. O planeamento e desenvolvimento de estratégias organizacionais são beneficiados, pois o clima organizacional sinaliza quais os aspetos da estrutura, recursos humanos, liderança e processos estão em sintonia com as estratégias da empresa.

Desta forma, o clima organizacional dá indicadores sobre diversas variáveis que nos fornecem uma visão geral da empresa e, caracterizando-se por ser relativamente maleável, concede pistas para ações de intervenção para melhoria das condições (subjetivas e objetivas) do ambiente de trabalho.



Neste sentido, a Escola de Afetos fornece às empresas: avaliação do clima organizacional e planos de intervenção no clima organizacional. 
 


Texto escrito por Carolina Violas, Psicóloga, Pós-Graduada em Gestão de Pessoas

Sem comentários:

Enviar um comentário